Ajude nascentes do Vale do Rio Doce




O Instituto Terra atua em diferentes frentes para recuperar a Mata Atlântica, restabelecer as fontes de água e fomentar o desenvolvimento sustentável no Vale do Rio Doce, região do Brasil que vivencia um quadro de degradação ambiental como consequência do desmatamento e do uso inadequado dos recursos naturais, agora ainda mais agravado pelo desastre ambiental. Com o programa Olhos D’Água, tem meta audaciosa: proteger todas as nascentes da Bacia Hidrográfica do Rio Doce, estimadas em aproximadamente 300 mil olhos d’água, tendo como referência levantamentos preliminares realizados pelo programa.

02ittopo.jpg?itok=y_n2whC5

itfoto011.jpg?itok=igjHC3ZH

02itnosdo.jpg?itok=GZJxrXTJ

Desenvolvido pelo Instituto Terra desde 2010, o programa Olhos D'Água tem recebido apoio de empresas, Governos e fundações do exterior, bem como doações de pessoas físicas. Somando todas as parcerias, já salvou mais de 1,2 mil nascentes da extinção, beneficiando 487 produtores rurais em oito municípios banhados pela bacia do Rio Doce. São eles: Conselheiro Pena, Aimorés e Pocrane, em Minas Gerais, e Colatina, Baixo Guandu, Laranja da Terra, Brejetuba e Afonso Cláudio, no lado do Espírito Santo.

E hoje o Instituto Terra precisa da sua ajuda. Clique ao lado e contribua para esse trabalho de revitalização do planeta.

itfoot03.jpg?itok=UakuWWL4
02itimportancia.jpg?itok=d_c50y1o O programa foi escolhido pela ONU-Água como uma das 70 melhores práticas para a recuperação e conservação dos recursos hídricos em nosso planeta e também recebeu o Prêmio ANA 2014 na categoria ONG, um reconhecimento da Agência Nacional de Águas do Brasil pela iniciativa considerada de excelência para garantir a oferta futura de água em quantidade e qualidade.

A essência do programa Olhos D’Água passa pelo viés da educação ambiental, mobilizando as comunidades rurais e envolvendo o poder público e o Comitê de Bacia nos municípios atendidos. Portanto, o programa exige um longo processo de conscientização dos pequenos produtores rurais – tendo em vista que a maioria das nascentes localiza-se dentro dessas pequenas propriedades. É preciso que os produtores cadastrem as nascentes de suas propriedades e assinem um termo de compromisso tornando-se parceiros do projeto.
Ajude-nos a continuar esse revigorante trabalho. Clique ao lado e contribua!

itfoto01.jpg?itok=-wFpY2GO
02itcomo.jpg?itok=m4O6t7_4

A partir da mobilização dos produtores, são feitos mutirões, para cercar os olhos d’água, com os insumos sendo fornecidos pelo programa, bem como mudas de espécies de Mata Atlântica, para permitir o reflorestamento das áreas de entorno das nascentes. Ao se comprometer com a proteção das nascentes, os produtores rurais são estimulados, por meio de capacitação, a adotar técnicas sustentáveis no uso do solo, diminuindo o impacto das atividades agrárias e de pecuária nas nascentes dos rios.

O projeto contempla ainda a realização de diagnósticos da situação ambiental das propriedades rurais beneficiadas pelo projeto, visando conhecer a situação atual do uso e ocupação do solo e ao mesmo tempo indicando as necessidades de adequação ambiental.

Somando esforços e tecnologias, desde 2013, a partir de uma parceria com a Embrapa - Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária, as unidades rurais atendidas pelo programa Olhos D’Água também recebem a instalação de fossas sépticas biodigestoras. A adoção da tecnologia da Embrapa, simples, de baixo custo e de fácil instalação, traz impactos econômico, social e, principalmente, ambiental ao evitar a contaminação do lençol freático com o esgoto sanitário.

E como parte complementar, o Instituto Terra também realiza, por um período de três anos, análises da água das nascentes protegidas, como forma de mensurar os ganhos obtidos em termos de qualidade e aumento do fluxo hídrico. Até o momento, o comparativo das análises físico-químicas e bacteriológicas da água das nascentes protegidas, além do monitoramento da vazão das mesmas, possibilitou constatar que mais de 60% das nascentes apresentam melhoria em relação à quantidade e qualidade da água logo após o terceiro ano das ações de proteção e reflorestamento.

02itsobre.jpg?itok=IPjuiua3

Fundado em 1998 por Lélia Deluiz Wanick e Sebastião Salgado, o Instituto Terra é uma associação civil, sem fins lucrativos, que promove a recuperação da Mata Atlântica no Vale do Rio Doce há 17 anos.

itfoto04.jpg?itok=-gFxtA3R

Atua por meio da restauração ecossistêmica, produção de mudas nativas, extensão ambiental, pesquisa científica aplicada e educação ambiental, em municípios de Minas Gerais e Espírito Santo. Sua sede se localiza na Fazenda Bulcão, em Aimorés (MG), área reconhecida como Reserva Particular do Patrimônio Natural (RPPN). O título conserva seu ineditismo por se tratar da primeira RPPN criada em uma área degradada, com o compromisso de vir a ser recuperada. Ao todo, desde sua fundação, o Instituto Terra já contabiliza 7,5 mil hectares de Mata Atlântica em processo de recuperação no Vale do Rio Doce e a produção de mais de 4 milhões de mudas nativas. E mais que plantar árvores e recuperar fontes de água, desde o início os fundadores se mobilizaram para tornar o Instituto Terra em um polo irradiador de uma nova consciência ambiental, baseada na recuperação e conservação florestal, aumento da produção agrícola e melhoria da qualidade vida no meio rural. Até o momento, mais de 700 projetos educacionais já foram desenvolvidos para um público superior a 72 mil pessoas, de 176 municípios dos estados de Minas Gerais, Espirito Santo e Rio de Janeiro.

Ajude-nos na proteção de nascentes!

itcapa.jpg?itok=fTVR5M-2

A hora é agora! Contribua com Ajude a recuperar nascentes do Vale do Rio Doce
  • Anônimo

    R$80
  • Anônimo

    R$50
  • Anônimo

    R$45
  • Anônimo

    R$200
  • Anônimo

    R$200
  • Anônimo

    R$100
  • Anônimo

    R$200
  • Anônimo

    R$40
  • Anônimo

    R$10
  • Anônimo

    R$10
Nenhum resultado foi encontrado

Diego Almeida

Criado 11/01/2021 Minas Gerais

Campanha em Destaque

R$11,798 de R$50,000 objetivo

24% Levantado Por 29 Doação 7-ONG /Comunidade